Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria Inês.

por Inês Saraiva

Maria Inês.

por Inês Saraiva

Bacalhôa Buddha Eden. Garden Of Peace.

Buddha Eden. Jardim da Paz.

 

image1 (1).JPG

Na semana passada rumámos a sul em família, momentos que vos fui monstrando pelo instagram, na ida, decidimos fazer uma paragem no Alentejo, Monsaraz e São Pedro do Corval foram os locais eleitos, iremos falar sobre esta paragem mais tarde.

O mesmo decidimos fazer quando voltamos ao coração do interior, a escolha não foi difícil e decidimos parar na Quinta dos Loridos, no Bombarral! 

A Quinta dos Loridos acolhe o Bacalhôa Buddha Eden o maior jardim oriental da Europa, são cerca de 35 héctares de jardim. Um jardim que inspira, calmo, onde se respira paz e harmonia em cada canto. O jardim foi criado em protesto contra destruição dos Budas Gigantes de Bamyan, no Afeganistão. Um acto barbárie cultural que apagou para sempre obras-primas do período tardio da Arte de Gandhara. 

A paz que vos falei começa a fazer-se sentir assim que atravessamos os arcos que simbolizam o portão de entrada para o jardim.

Iniciámos então o nosso percurso a pé, também existe a possibilidade de o fazer num comboio turístico por mais 0,50€, que faz pequenas paragens ao longo do percurso, no entanto acho que o melhor é visitar a pé, fazendo uma caminhada calma e apreciando as várias estátuas em mámore e granito espalhadas pelo percurso.

As estátutas imponentes observam-nos com calma, passamos pelo lago central onde observamos os peixes KOI, e dragões esculpidos que se erguem da água, e, sem nos apercebermos estamos em frente à escadaria central, o ponto focal do jardim, onde os Buddhas dourados dão calmamente as boas-vindas aos visitantes.

Nesta altura existiam pequenas filas para tirar fotografias com os "buddhinhas", mas nada que fosse desesperante! Vale a pena a espera porque as fotografias ficam sensacionais!!!

Subimos a escadaria e observamos os Buddhas de tamanho colossal, impressionante a serenidade que transitem a quem por ali passa. Ali ao lado estão também, perfeitamente alinhados o exército de soldados de terracota pintados à mão, cada um deles único, encontrando-se alguns enterrados, tal como há 2.200 anos. 

O passeio pede calma, o jardim convida-nos a relaxar e sentir a tranquilidade do local. 

O jardim acolhe ainda uma exposição de eculturas de renomados artistas, como Joana Vasconelos. A entrada no jardim custa 2,50€, mais informações aqui.

IMG_9809.JPG

 

IMG_9696.JPG

IMG_7661.JPG

IMG_7662.JPG

 

IMG_7663.JPG

IMG_7671.JPG

IMG_7676.JPG

 

IMG_7688.JPG

IMG_7695.JPG

IMG_7745.JPG

IMG_7747.JPG

 As fotografias que aqui vos deixo são capazes de transmitir o encanto do jardim. No entanto nada é melhor do que o viver, foi a segunda vez que o vivi, que senti a sua paz, e, certamente não será a última.

 

 

 

 

Porque há um mundo para descobrir dentro do nosso mundo.

Maria Inês.

Cristina X Vogue

Qualquer coincidência é mera semelhança... Ou então não! 😱 image.jpg

Menos fotoshop na Rita por favor‼️⚠️⚠️⚠️

A rapariga já tem um corpaço não precisa de um fotoshop que a deixe com o rabinho quase nos joelhos!!!

É Preciso Amar.

É preciso amar. Amar é uma atitude divina, um sentimento transcende. É preciso amar as pessoas como se de seres celestes se tratassem. Amar e amar devagar.
É preciso amar devagar. Sentir, viver, compartilhar, o nosso amor por nós, pelos outros.
A nossa existência é breve, e, é de amor que devemos ser feitos, que devemos entrelaçar os nossos laços com os outros.
Só amor serás e só amor deves dar, a ti, aos teus e aos outros. Porque de amor foste criado e é amor que deves criar.

 

 

 

 

 

Com amor.

Maria Inês.

 

O Pátio das Cantigas.

O Pátio das Cantigas. A saga - Parte I.

 

Não, hoje não foi dia de O Pátio das Cantigas, foi mesmo no dia de estreia, dia 30 de Julho. No horrível cinema do Nortshopping, sim é verdade, detesto as salas de cinema do Nortshopping, no entanto por uma questão de comodismo (é o mais perto de casa), mantemos uma relação de amor-ódio. 

Considerações de espaço à parte, passemos ao filme que é o que interessa neste post. O filme começa por ser bom mesmo antes de entrar na sala, além do elenco fantástico que nos espera em 121 minutos de bom humor, oferece pipocas "feitas com bom milho português" (para devoradores acérrimos de pipocas, como eu, é a cereja no topo do bolo!ahah).

O filme, para os mais despercebidos é a nova versão, atualizada, da comédia portuguesa "O pátio das cantigas", realizada por Leonel Vieira. Mas mais do que isso, segundo palavras do realizador, e como a própria palavra indica é uma versão, o que com isto quer-se dizer que não é exactamente igual, uma verdadeira recriação do antigo filme, mas sim uma versão como se dos descendentes das personagens do antigo filme se tratasse.

O novo "O pátio das cantigas" faz parte de uma trilogia que Leonel Vieira produziu a partir de outros filmes que fizeram sucesso no cinema português: "O leão da Estrela" (1947), de Arhur Duarte, e "A Canção de Lisboa" (1933), de Cotinelli Telmo.

A comédia, rodada na Vila Berta, em Lisboa, mantêm o ambiente bairrista e popular do filme original, mas vejamos, o filme que é uma verdadeia comédia, não pode nunca e em caso algum ser comparado com o clássico de 1942, a verdadeira jóia da coroa da comédia portuguesa, não o façam! Enquanto o clássico é envolvido em piadas espirituosas, diálogos e trocadilhos sofisticados, esta nova versão por sua vez é carregada de um humor de mesa de café, de conversas fáceis e diálogos pouco "inteligentes", o filme no entanto representa um pouco mais do que é o quotidiano de hoje, é um filme engraçado no entanto, à medida que a acção se vai desenrolando, amores e desamores vão acontecendo, sem deixar grandes marcas, as conversas banais, a "porrada" tipica num bailarico de bairro também acontece, com alguns estrangeiros à mistura, uma sátira ou outra... mas tudo muito leve, superficial... ficamos sempre à espera de um pouco mais, que na verdade não vai acontecer. 

Por isso, o melhor é mesmo ir de espírito aberto para umas boas gargalhadas, onde "Em termos de reflectir os nossos tempos e a Lisboa de hoje, temos que neste “Pátio das Cantigas” o Evaristo é dono de uma mercearia “gourmet” e a filha dele uma “teen” estouvada, o Narciso guia um “tuk-tuk” e papa turistas em série, a Rosa é uma trintona boazona que vende sapatos e cozinha num “hostel”, a Amália quer ir cantar à televisão e ser “famosa”, há uns indianos e uma Loja do Ouro no bairro, umas cenas de cama tontas, a Maria da Graça que regressa do Brasil agora joga no clube da Ivete Sangalo, e por aqui ficamos no que à relevância contemporânea diz respeito." (como escreve Eurico de Barros, para o Jornal Obeservador, aqui, cujas palavras cito).

As críticas ao filme são várias, há quem tenha detestado a ideia de pegar num clássico e transfigurá-lo, há quem o tenha adorado, eu gostei. 

Aconselho o filme pelo bom momento e pelas gargalhadas partilhadas, só alerto para o facto de não caírmos no erro da comparação, afinal são 121 minutos de riso, e não de Vasco Santana no seu melhor, este é imortal e incomparável!

 

 

 

"Ó Evaristo? Mas o que é isto!"

Maria Inês.